5 de março de 2011

O escuro

O escuro é como uma casa
Que acolhe a quem já não tem
Mas pode também ser cadeia
Prendendo-te só a teu eu

Talvez um dia eu entenda
Ou nunca venha a saber
O que pode haver no escuro
Que ha tantos completa o ser

Só sei que estou aqui agora
Livre pra entrar e sair
Mas sempre retorno ao escuro
Sem nunca saber pra onde ir
Sem nunca querer ir embora
No escuro, mas sempre a sorrir

Nenhum comentário:

Postar um comentário